Monty Python e a Origem do SPAM


O enlatado de apresuntado - SPAM - AntonioBorba.comSPAM – palavra comumente associada a conteúdo indesejável – isto é, tudo quanto é propaganda recebida através de e-mails. Mensagens invasivas, não solicitadas e toda sorte de comunicação que polui e atrapalha o seu trabalho, geralmente com finalidade comercial. O spam tem lá as suas variações – correntes, phishings e outras que mudam apenas na finalidade – algumas mensagens são criadas meramente por diversão ou para atrapalhar, enquanto outras possuem o claro objetivo de infectar o computador para se apoderar de senhas de bancos ou efetuar ataques a terceiros.

Atualmente, a maior parte do e-mail circulante na Internet é considerada spam. Por ser barato de disparar, os spammers utilizam essa forma de propaganda para levar informações não solicitadas a milhões de pessoas – as poucas que dão retorno sendo clicadas já valem o investimento. Infelizmente, ocasionam também a perda de produtividade e o inchaço na infraestrutura de telecomunicação (de banda a equipamentos de rede), que se torna mais cara. É um típico exemplo de vandalismo digital que eleva o custo da Internet.

Porém, o que pouca gente sabe é a origem do termo. Como o spam surgiu?

O significado original da palavra também é ignorado por muitos. Spam em inglês é o que conhecemos como apresuntado em português. Aquele da latinha. Como afinal o apresuntado se tornou sinônimo de e-mail indesejável?

O sketch do grupo Monty Python

Monty Python foi um grupo de humor britânico que fez enorme sucesso no início da década de 70 através de programas televisivos. Tornou-se um fenômeno mundial com seu inédito humor nonsense e até hoje é considerado cult, tendo influenciado inúmeros humoristas e estabelecido piadas clássicas e engraçadas até os dias atuais.

Acompanhe o quadro “SPAM” e veja abaixo a interpretação:

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=anwy2MPT5RE[/youtube]

O começo do quadro é surreal, como de costume. Pode-se perceber diversos vikings em um bar, pessoas sendo içadas às suas mesas, no típico estilo nonsense do grupo inglês. O casal pergunta sobre o menu e a garçonete, na clássica voz “o mais irritante possível” de Terry Jones, relata um menu que parece ser formado, principalmente, por… apresuntado (spam)!

Explicar o motivo de tudo levar spam vai além da compreensão humana, pois, conforme citado, é o típico humor nonsense. Não há explicação! Em certo momento, a senhora interpretada por Graham Chapman pergunta se teria algo sem spam, ao que a garçonete responde que “spam, egg, sausage and spam” (apresuntado, ovo, salsicha e apresuntado) não levaria “muito” spam no preparo. E vai além: ao ouvir o pedio de um prato sem spam, a garçonete faz cara feia!

A coisa esquenta mesmo quando a senhora grita que não gosta de spam. Nesse momento, imediatamente, os vikings começam a entoar um cântico cuja letra contém, quase que tão somente… a palavra spam. Algo como “Spam! Spam! Spam! Lovely Spam! Wonderful Spam!

Após muitos gritos de “shut up!“, os vikings finalmente se calam e a senhora tenta novamente fazer um pedido sem spam, o que a garçonete julga impossível de ser feito. Afinal, “you can’t have egg, bacon, spam and sausage without the spam“, o que é plenamente verdade.

Aí é que o hilário humor de Monty Python entra em ação de forma mais contundente, quando o pacífico marido interpretado por Eric Idle finalmente fala que sua esposa não se preocupasse porque ele ficaria com o spam dela, afinal ele gosta de spam e está pedindo o prato “spam, spam, spam, spam, spam, spam, spam, BAKED BEANS, spam, spam, spam, and spam“.

A essa altura, a garçonete informa que “baked beans” estão em falta, e o senhor pergunta se poderia substituí-los por… sim, spam! A garçonete confirma, perguntando se ele queria dizer “spam, spam, spam, spam, spam, spam, spam, SPAM, spam, spam, spam, and spam“, com o que o homem concorda.

Neste momento, uma pessoa de origem húngara (John Cleese) entra no bar e pergunta, novamente na melhor nonsense fashion, lendo em um dicionário de viagem uma tradução completamente equivocada (outra piada muito recorrente do grupo inglês): “Great boobies, honeybun, my lower intestine is full of spam, egg, spam, bacon, spam, tomato, spam…“. Logo em seguida, um policial entra e retira o húngaro, que ainda insiste em mais uma infeliz frase erroneamente traduzida: “My nipples explode…“.

Então, um historiador entra em cena, falando de uma suposta vitória viking no “Green Midget Cafe” e a estratégia por eles adotada, que consistia em “escolher spam um item spam do menu spam” e assim vai até que a cortina se abre, revelando o interior do café mais uma vez e a palavra spam é repetida até o fim em coro, por todos.

Conclusão

A brincadeira insere a palavra spam como poluição. Qualquer tentativa de comunicação é interrompida pela palavra spam sendo cantada, atrapalhando todos que tentam conversar de forma clara.

Quer algo mais adequado para definir os e-mails indesejáveis? Afinal, o spam é algo que atrapalha a comunicação.

E foi exatamente dessa forma que, anos antes de Internet surgir, esses simpáticos comediantes ingleses vieram a lançar a fundação moderna para a definição da palavra que mais atrapalha o nosso dia a dia.

1 comentário em Monty Python e a Origem do SPAM

Outros Posts:

29/09/2015

Web Sites: A Regressão da Tecnologia Móvel

As redes sociais representam mídias tão onipresentes em nossa sociedade que poucas pessoas se perguntam onde foi parar a boa experiência de navegação, a evolução tecnológica do design de web sites. Especialistas discutem, e com razão, sobre o fato de que, presos na dinastia de celulares ...

Saiba Mais

31/03/2012

Roger Waters The Wall 2012 e a Lamentável Educação das Pessoas

Como fã incondicional, eu assisti ao primeiro show do Roger Waters na nova turnê The Wall que ele está apresentando no Brasil. Foi em Porto Alegre, antes de a turnê seguir para Rio de Janeiro e São Paulo, onde Roger finalizará sua agenda no País. Eu acompanho a carreira do ex-vocalista do ...

Saiba Mais

Uma resposta para Monty Python e a Origem do SPAM

  1. Jambér disse:

    Muito boa esta relação entre a palavra SPAM e os emails indesejáveis, espero que não confunda um outro email que lhe enviei com o título dúvida como SPAM

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*