Categorias: Cotidiano

A História de Evander – O Dog de uma Orelha


Esta é uma história de resgate com final feliz. A história de um cão de rua abandonado e ignorado, cujo destino mudou por um pequeno lance de sorte.

Tudo começou na noite de quinta-feira, dia 03/10/19, quando Silvana saía do trabalho. Pela janela do carro, ela se deparou com uma cena que partiu seu coração. Um cão com um ferimento horrível na cabeça, aparentemente faltando uma orelha:

Evander - O Dog de uma Orelha - História de um Resgate

Sem saber que reação tomar, Silvana, que sempre leva um pouco de ração no carro, serviu um punhado em um prato descartável, e deixou um pote d’água para o pobre animal, do lado de fora do portão da sua empresa.

A noite não foi muito boa para Silvana, pois ela ficou pensando se deveria ter aberto o portão e ter deixado o cachorro trancado, e ficou pensando no dia seguinte o que seria dele, solto na rua com aquele ferimento terrível.

O dia da mudança

O dia seguinte foi especialmente feliz, pois, ao chegar ao trabalho, Silvana percebeu que o dog ainda estava por ali, possivelmente grato por ter sido finalmente acolhido por alguém. Desta vez, ela não pensou duas vezes, abriu o portão e convidou-o a entrar. Devidamente abrigado, nosso amigo foi alimentado e cuidado:

* Atenção – algumas cenas são fortes *

Evander - O Dog de uma Orelha - História de um Resgate

Evander - O Dog de uma Orelha - História de um Resgate

Logo em seguida, Silvana tentou localizar pessoas que poderiam conhecer o cachorro. Após trocar diversas mensagens de WhatsApp em grupos da vizinhança, só o que ouviu foram argumentos do tipo “O cão tem dono”, “ele sempre está por aí” ou “não podemos fazer nada”. Até mesmo as supostas “cuidadoras” de animais da região, deram com os ombros e falaram que não poderiam cuidar do pobre cãozinho.

Foi aí que sorte do nosso amigo começou a realmente mudar. Indignado com a indiferença das pessoas, eu resolvi fazer algo por este focinhudo. Entrei em contato com Ricardo Miike, responsável pelo Projeto Violeta Vive, uma entidade com a qual contribuo mensalmente. Ricardo faz um belo trabalho de resgate e mantém, em uma chácara alugada, cerca de 200 animais sob seu cuidado.

Ricardo abraçou a causa sem questionar. Foi ao nosso encontro, recolheu o dog e o levamos imediatamente à Clinivet, para uma intervenção de emergência.

Evander - O Dog de uma Orelha - História de um Resgate

Evander - O Dog de uma Orelha - História de um Resgate

O primeiro tratamento

A intervenção realizada em nosso amigo se mostrou muito apropriada. Apesar de não indicar presença de miíase (“bicheira”), claramente havia uma ferida muito extensa na região da cabeça, com perda do lobo externo da orelha, além de quadro de infecção e anemia. Segundo os médicos, seu estado sugeria que nas ruas poderia morrer de septicemia em pouco tempo.

Evander - O Dog de uma Orelha - História de um Resgate

Evander - O Dog de uma Orelha - História de um Resgate

Evander - O Dog de uma Orelha - História de um Resgate

Obs.: as fortes imagens da lesão e da cirurgia não serão exibidas neste post.

Nenhum cuidado foi dispensado à recuperação do dog “sem nome”, como era chamado na clínica em que passou 2 dias internado com trocas constantes de curativo. Em seguida, foi recolhido à chácara do Projeto Violeta Vive, onde ficou separado em ambiente especial, sem contato com outros animais devido à sua condição crítica de recuperação.

Evander - O Dog de uma Orelha - História de um Resgate

Fomos visitar nosso amigo na chácara e, após refletir sobre seu espírito lutador, finalmente escolhemos seu nome que não poderia ser mais apropriado: “Evander”.

Evander - O Dog de uma Orelha - História de um Resgate

A sensacional procura por Evander

Alguns dias depois, o impensável aconteceu. Ao ser conduzido para uma consulta de retorno na Clinivet, Evander conseguiu fugir. Mesmo preso por guia e coleira, ao descer do carro pegou seu cuidador de surpresa, puxou, escapou da coleira e se mandou. Após mais de uma hora e 10km percorridos atrás dele, sem sucesso, ele foi dado como “fugitivo”. Começamos a adotar uma estratégia de recaptura e o que se seguiu a partir daí foi completamente surpreendente.

Iniciamos um trabalho de colagem de cartazes em bairros próximos em que havia sido visto, mas, principalmente, divulgação em grupos voltados a resgate de animais. Funcionou!

Evander - O Dog de uma Orelha - História de um Resgate

Dia após dia, recebíamos fotos, vídeos e relatos de Evander sendo visto em diversas regiões. Entretanto, ninguém conseguia capturá-lo, pois se afastava e corria a qualquer tentativa de aproximação.

Após cerca de 7 dias de relatos e tentativas de captura, percebemos uma união muito grande das pessoas ao redor da emocionante história do nosso amigo. Grupos diversos de auxílio e resgate animal passaram a contribuir, inclusive financeiramente, destinando doações ao Projeto Violeta Vive, em uma demonstração de solidariedade impressionante.

Porém… nada do Evander. Quando ele ficou sem ser visto por mais de 24 horas, quase perdemos a esperança de resgatá-lo, pois, nas condições do ferimento dele, seria uma questão de tempo até infeccionar novamente e levá-lo à morte.

Até mesmo um carro de som foi contratado – ouça o áudio, engraçado:

Eis que, subitamente, recebemos este vídeo (cenas fortes):

Por uma imensa coincidência, uma alma caridosa, sem saber de nossa busca, resgatou o Evander e postou o vídeo em grupos, para saber o que fazer com um cachorro em condições tão desfavoráveis.

Imediatamente, algumas pessoas sinalizaram que este era o dog que estava sendo procurado há uma semana e, pronto, logo o Evander estava sendo novamente conduzido à clínica veterinária.

O segundo tratamento

O retorno de Evander à Clinivet para sua segunda sessão de tratamentos não foi muito animador. Diagnosticado com febre de 40 graus, extensa lesão com exposição do crânio, contaminação aguda por miíase/bicheira e comunicação entre ouvido e boca com larvas saindo pela gengiva, a recomendação foi pela eutanásia.

A notícia foi desanimadora. Para falar a verdade, seria a ação mais fácil a ser tomada, mas, após envolver tantas pessoas e recursos no resgate do nosso amigo, não nos pareceu justo tomar esta decisão em nome de todos. Evander já era um símbolo do resgate animal, mas por outro lado não queríamos deixá-lo sofrendo…

Após algum debate, chegamos à conclusão que uma boa conduta seria dar uma chance para ele se recuperar. Autorizamos uma intervenção de emergência que levou cerca de 2 horas e recolheu 2 potes com larvas, ainda assim sem retirar todas. Evander recebeu sedativos e medicação, novo curativo e, durante os próximos 3 dias, continuou o processo diário de sedação, troca de curativo e retirada de larvas, até que estabilizou. Agora sem febre, nosso herói dava sinais claros de reação e conseguimos descartar a possibilidade de eutanásia.

Após uma semana de internação, Evander já apresentava uma ferida limpa, com pele rosa, entretanto, a exposição do crânio ainda preocupava. Muita carne havia sido comida pelas larvas.

Neste momento, optamos por conduzir uma “cirurgia plástica”: Evander teve a pele esticada e recebeu enxerto da pele do pescoço.

Evander - O Dog de uma Orelha - História de um Resgate

Um lar para Evander

Após receber alta, Evander teria a oportunidade, talvez pela primeira vez na vida, de saber o que seria um lar.

O mérito foi da Soraya, uma das colaboradoras do Projeto Violeta Vive, que concordou em abrigar nosso querido em sua casa, de forma temporária, para permitir sua melhor recuperação. As primeiras cenas de Evander no novo lar são emocionantes, tudo o que ele precisaria seria ganhar mais peso:

Evander - O Dog de uma Orelha - História de um Resgate

Um final feliz para Evander

Os meses se passaram. O que era, até então, um lar temporário, transformou o coração da sua nova mamãe Soraya, e ela resolveu adotar o meninão em definitivo.

Aqui está uma foto tirada em fevereiro de 2020 do Evander, felizão, passeando no parque:

Evander - O Dog de uma Orelha - História de um Resgate

E aqui estou eu com a Soraya, o Evander e a Twiggy, que seu deu muito bem com ele:

Evander - O Dog de uma Orelha - História de um Resgate

Finalmente, se você tem alguma dúvida sobre resgatar um animal de rua quando tiver a possibilidade, assista a este vídeo, que diz tudo. Ele explica melhor do que qualquer coisa que eu possa falar. Fico contente de ter sido uma das pessoas que ajudou neste processo:

Saiba como ajudar os animais do Projeto Violeta Vive

Se você gostou desta história e quer saber como fazer mais, ajude o Projeto Violeta Vive. São mais de 200 animais abandonados e resgatados que estão em uma chácara alugada, aos cuidados do Ricardo Miike.

Ricardo Miike e o Projeto Violeta Vive

O projeto precisa urgentemente de padrinhos que possam ajudar com uma mensalidade recorrente, mas qualquer doação, ainda que pontual, é bem-vinda. Os valores mensais arrecadados não são suficientes para manter de pé o projeto, que precisa fazer bazares, almoços e campanhas para sobreviver e evitar ser despejado. Em quase todas as ações, eu contribuo como posso, seja pedindo doações ou ajudando na divulgação e organização.

Contribua você também!

Contato do Ricardo Miike: (41) 99266-2555
Facebook do Projeto: https://facebook.com/ProjetoVioletaVive/

1 comentário em A História de Evander – O Dog de uma Orelha

Outros Posts:

26/06/2011

Sua Vodca Vale R$ 200 a Garrafa?

Existe um costume muito difundido de consumir vodcas "super premium" nas baladas chiques. Uísque ficou velho, vodca é a bola da vez e vodcas "premium" já são normais - "super premium" é a categoria de quem pode. Engana-se quem acredita que isso se aplica a Curitiba, São Paulo ou Brasil. A econ ...

Saiba Mais

04/11/2013

Em Defesa do Rei do Camarote

Internautas unidos (principalmente através das mídias sociais) iniciaram a semana escrachando e debochando de Alexander de Almeida, o "Rei do Camarote", assim definido por Veja São Paulo em matéria sobre os esbanjadores da balada paulistana. Como eu posso querer defendê-lo? Bem, eu também ...

Saiba Mais

Uma resposta para A História de Evander – O Dog de uma Orelha

  1. Ana disse:

    Achei muito injusta a parte em que se fala que as “supostas” cuidadosas da região deram de ombro… por duas razões:
    primeiramente, porque, nem todas as protetoras podem atender a todos os casos que aparecem na região, tanto por limitação de espaço, como de tempo e, até financeiras (a maior parte delas não tem o mesmo potencial arrecadatório e estrutura, como quem assumiu o caso – não desmerecendo quem assumiu);
    em segundo lugar, sou testemunha de o quanto essas protetoras (que deram de ombro!?) foram incansáveis na busca pelo bichinho quando ele fugiu (!?), divulgando os cartazes, chamando diretamente outros protetores, montando campanhas, etc.).
    A história é linda e eu gostaria de compartilhar, mas por esse “detalhe”, não o faço, para não propagar essa injustiça.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*