Crianças, Adolescentes e Redes Sociais

Crianças, Adolescentes e Redes SociaisA segurança das crianças e adolescentes que usam redes sociais é um tema de grande preocupação para pais e educadores. Este é um assunto que repercute constantemente na mídia, e seu consenso final (para surpresa de muitos pais) se resume a: não adianta vigiar, mas sim orientar.

Agora vou explicar o motivo:

Boa parte dos pais, preocupados com a atitude de seus filhos na Internet, instalam softwares de monitoramento ou ainda, vasculham o histórico de mensagens e logs em busca de sinais de perigo. Eles esquecem que, frequentemente, os filhos são mais “tecnologicamente inteligentes” que os pais. É outra geração, ponto. Enquanto crianças, tudo bem. Mas na adolescência, é preciso tomar cuidado.

Esse “pai espião“, além de correr o sério risco de descobrir algo que não lhe agrade (e que pode ser considerado normal para um adolescente), pode estar agravando um potencial problema. É muito fácil para um jovem que sinta sua privacidade invadida apagar históricos, desinstalar softwares ou simplesmente utilizar outros computadores (escola, amigos, lan houses).

Além do que, cada vez mais se utilizam redes sociais e Internet através dos celulares. Como monitorar o celular do seu filho? Impossível, eu diria. Em uma tentativa de “cerco”, os pais podem levar os filhos a uma atitude de ocultar informações que poderiam ser extremamente importantes caso algo acontecesse com os mesmos.

Este vídeo do programa “Destaque”, do SBT, complementa o tema. Assista e confira orientações mais amplas sobre segurança no Orkut e MSN, além de outras dicas:

Como quase tudo na vida, o melhor caminho é educar, orientar e ter uma conversa aberta dentro de casa. As situações devem ser compartilhadas por vontade própria. Os logs e evidências podem estar registrados para uma emergência, preservando a privacidade e a confiança dentro da família. Boa parte das situações de perigo que vemos no noticiário é proveniente de uma falta de estrutura familiar, onde a Internet é um meio e não a causa.

Se você é pai, considere isso. Cuidado antes de vigiar ostensivamente seu filho, pois, se ele realmente quiser esconder algo, possivelmente conseguirá.

6 comentários em Crianças, Adolescentes e Redes Sociais

Outros Posts:

11/02/2011

Amizades Virtuais São Reais?

Veja vídeo com entrevista ao final da matéria. O sociólogo Robert Putnam já passa dos 70. Nascido em 1941 em Rochester, NY, ele pertence a uma geração passada. Porém, em 1995 fez uma afirmação que foi tomada como verdade genérica, sem muita contestação, a respeito das amizades via ...

Saiba Mais

11/04/2011

Meta Dada, Meta Cumprida

No início de 2011, falei da importância de estabelecer metas e também de perseguí-las ao longo do ano. Afinal, estabelecer metas é consideravelmente fácil, cumprí-las é outra história. As metas materiais, sejam elas pessoais ou relativas à empresa, são gratificantes quando alcançadas, ...

Saiba Mais

6 Respostas para Crianças, Adolescentes e Redes Sociais

  1. Ana disse:

    Olá, Antônio!

    Sou estudante de História e estou fazendo estudos nessa temática, para produzir um artigo acadêmico. Poderia me enviar algum material?
    Abraços…

    • Antonio Borba disse:

      Olá Ana, tudo bem? Eu não tenho nenhum material arquivado sobre isso. O que tenho são artigos e entrevistas, que logo publico. Há mais entrevistas sobre este tema nos meus vídeos. Se quiser perguntar algo em específico, me avise que posso tentar ajudar. Abraços.

  2. patriciapeck disse:

    Antonio,
    Gostamos muito da sua entrevista, voce ja conhece o nosso Movimento Crianca Mais Segura na Internet (www.criancamaissegura.com.br)?
    abs, patricia

    • Antonio Borba disse:

      Olá Patricia, não conhecia não e será um prazer contribuir, caos queira. Percebi também que vocês são especializados em direito digital, muito interessante a idéia do movimento da Criança + Segura. Curiosidade, como você chegou ao blog? Vou lhe mandar um e-mail caso queira manter contato. Abraços,

  3. Ariana disse:

    Conversa é o “principal” que devemos aos nossos filhos. Eu falo tudo, até demais. Fiz um Facebook para ele e ensinei a naum responder a qquer um.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*