Corrientes 348 – O Novo Melhor Filé à Parmegiana de Curitiba


No início do ano, eu elegi o Mangiare Felice como casa do melhor Filé à Parmegiana de Curitiba em empate técnico com o Pizzicatto, após pesquisar as principais cantinas da cidade.

Recentemente, o Corrientes 348 me surpreendeu. Um restaurante argentino que abriu há poucos meses em Curitiba, o Corrientes já existe em São Paulo e Brasília.

Em minha primeira visita à casa experimentei o Corte 348, recomendado pelo garçom por ter pouca gordura, e gostei muito principalmente do ponto da carne. É raríssimo, se não impossível, encontrar por aqui uma casa de carnes que consiga fazer um corte legitimamente mal passado – parece que só conhecem o “ponto menos“. Afinal, o mal passado autêntico deve ser retirado do fogo no exato momento em que a carne deixa de ser crua. Como isso é muito difícil de controlar, o mais comum é recebermos uma carne crua ou passada do ponto, mas nunca no mal passado como deve ser.

O Corrientes acertou o ponto que pedi. É bem verdade que precisei solicitar para passar um pouco quando recebi o corte, pois de fato a carne estava crua. Mas o surpreendente é que a cozinha entendeu meu pedido de “apenas um pouco” e devolveu a carne na medida ideal. Isso, somado ao ótimo atendimento, nada comum em Curitiba, me levou a prestar atenção na casa. E não pude deixar de notar no cardápio a presença de certo “Filet à Parmegiana de Alcatra Argentina“, o que me deixou muito curioso.

Filé à Parmegiana do Corrientes 348 - AntonioBorba.com

A comprovação da qualidade

Eu experimentei o Filé à Parmegiana em duas situações. A primeira foi o delivery, quando tive certeza de que o prato poderia ocupar com distinção o posto de primeiro lugar no meu ranking pessoal. Da qualidade do molho sugo à espessura e o sabor da carne, combinando com uma quantidade ideal e não exagerada de queijo, o filé reunia as principais características para ser considerado o melhor:

Filé à Parmegiana do Corrientes 348 - Delivery - AntonioBorba.com

O risoto preparado com batata palha, ovos e linguiça é um excelente complemento ao prato, embora você possa optar por um acompanhamento mais suave para concentrar seu paladar no sabor da carne. Entre as recomendações da casa estão o purê de batata e as papas que são preparadas de forma especial (Papatasso Provenzal), mas eu não experimentei por não ser um fã de batatas.

Em outra ocasião, pessoalmente na casa, eu comecei o jantar com um dos meus pratos preferidos, a morcilla, que é fora do comum. Sem dúvida, está entre as melhores que já tive a oportunidade de saborear e bate de frente com as servidas na churrascaria Fogo de Chão, em São Paulo:

Corrientes 348 - Morcilla - AntonioBorba.com

Em seguida, veio o filé… não exatamente igual à foto publicitária que abre este post, embora o iPhone sem flash não faça milagre. De qualquer forma, o sabor estava excelente:

Corrientes 348 - O Filé ao Vivo - AntonioBorba.com

Outra vantagem do Filé à Parmegiana do Corrientes é que ele é muito bem servido. Em duas pessoas, com entradas e acompanhamentos, não conseguimos terminar o prato todo.

Eu também não poderia deixar de experimentar as sobremesas da casa. Panqueque de Dulce de Leche, como seria de se esperar considerando que o doce de leite argentino é o melhor do mundo, se mostrou uma sobremesa inigualável. A bola de sorvete que a companha é o triplo do tamanho convencional e o doce de leite vem bem quente, derretendo e parecendo um caramelo. A foto abaixo é comercial, na realidade o doce de leite veio bem mais líquido:

Corrientes 348 - Panqueque de Dulce de Leche - AntonioBorba.com

O sorvete de zabaione que pedi não foi surpreendente, ao contrário, não vi nada de especial. Uma dica seria a casa fazer uma parceria com a sorveteria Freddo – não a plagiadora marca de Curitiba, mas a original Argentina, que já existe em São Paulo e produz sorvetes de zabaione, doce de leite e outros sabores da mais alta qualidade. Essa parceria seria perfeita – fica a sugestão para o Corientes melhorar ainda mais.

Finalmente, outra surpresa foi receber a conta. De longe, esperava algo ao redor dos R$ 250,00 (cifra que paguei na péssima Trattoria do Victor, por exemplo) – mas… mesmo com entrada, bebida (embora apenas uma cerveja) e sobremesa, o valor final com gorjeta foi R$ 188,12:

Corrientes 348 - Conta em conta! AntonioBorba.com

É importante trazer este assunto à tona, afinal, faz algum tempo que eu percebi que estamos pagando nos restaurantes de Curitiba o mesmo que nos restaurantes de São Paulo, sem qualquer garantia de bom atendimento ou qualidade. Então, ao ficar satisfeito e receber uma conta que está abaixo do valor de restaurantes similares, foi uma grata surpresa. É fácil gastar mais do que isso em qualquer restaurante da cidade.

O fato de o couvert não ser cobrado é uma delicadeza não muito comum nos restaurantes, e isso só agrega à boa recepção da casa, cujo atendimento se mostrou impecável (esperamos que continue assim). Com relação aos pratos, preço justíssimo – a carne, por exemplo: R$ 70,00 para duas pessoas e os acompanhamentos à parte. De início estranhei o fato de não ter acompanhamentos, mas logo percebi isso como uma vantagem – poder escolher aqueles que me agradam.

Breve histórico

Como curiosidade, vale saber que a franquia Curitiba é capitaneada pelos sócios Luciano de Paulo e Bruno Villela, este com longa experiência no ramo de restaurantes. Da família de Bruno já saíram iniciativas históricas como a excepcional pizzaria Gabianna, que infelizmente fechou e não deixou substituta à altura, sem contar clássicos que existem até hoje, como o restaurante Scavollo – aliás, clássico é pouco para definir essa casa que completa quase 30 anos de história.

Bruno, que eu entrevistei por e-mail, conta que o segredo é que as carnes são importadas em lotes selecionados, resfriadas e não congeladas. Mas obviamente o negócio não se resume a isso, pois o preparo e manuseio precisam ser impecáveis. A matriz supervisiona com frequência a operação local, que adota o mal passado dentro do padrão argentino, o que significa um preparo com ponto menor do que o “mal passado brasileiro”. Dessa forma, se você gosta de carne vermelha, não tem como errar, mas há preparos para todos os gostos.

Tudo isso porque neste post estamos falando do Filé à Parmegiana, que sequer é considerado a especialidade da casa. Ou seja, tem muito mais além disso. É curioso, mas tinha que ser de São Paulo

Corrientes 348: a nova referência de carnes em Curitiba.

7 comentários em Corrientes 348 – O Novo Melhor Filé à Parmegiana de Curitiba

Outros Posts:

11/06/2012

Racismo e Preconceito Tiram o Brasil do Rumo do Sucesso

Há bem pouco tempo, eu achava os Estados Unidos um país exagerado. A onda do politicamente correto certamente estaria "fora do controle" naquelas terras. Um homem evitava pegar o elevador sozinho com uma mulher para não ser acusado de assédio sexual e por aí vai. Pensava eu: "que sociedade é ...

Saiba Mais

08/02/2012

Teoria Conspiratória: Facebook e o Governo Norte-Americano

O Facebook completou 8 anos e pode valer 100 bilhões de dólares. As notícias correm na mídia, o Magic Blog publicou uma retrospectiva da história da rede social e a Revista Veja desta semana colocou Mark Zuckerberg na capa. Quando uma empresa é onipresente e assunto constante na pauta de mi ...

Saiba Mais

7 Respostas para Corrientes 348 – O Novo Melhor Filé à Parmegiana de Curitiba

  1. Mauri disse:

    Confirmando questões que você levantou.
    Fui acompanhado de minha esposa e pedi o prato inteiro, cujo valor é de R$ 70,00. Mas a garçonete que me atendeu, sugeriu a meia porção, de R$ 54,00, que seria suficiente. Pedi como acompanhamento a papa provenzal, muito boa para os apreciadores e novamente fui advertido pra pedir apenas meia, mas dessa vez ignorei. Realmente saímos satisfeitos com a meia porção da carne e sobrou metade da generosa porção de batatas.

  2. thadeu brenny filho disse:

    tente a Nonna Giovana, restô de 28 a na rua São Francisco baixa e antiga, ao lado do restaurante homônimo e antigo. Foi eleito o melhor parmegiana de Curitiba pelo Gormet GP ! Caseira e frugal, prato p/ 2 não vai a R$ 40,00. E tem maissss: Terrazza rest panorâmico, do Ronaldo do Amicci (depois virou Alegrini) e o Ronaldo faz as honras da casa com seu bom astral!

  3. Fernando disse:

    Bom saber, estava curioso para ir conhecer a casa.
    Um adendo: o Scavollo não tem como ir, a comida lá está pavorosa, depois da última vez que fui, não tive coragem nem empenho de desperdiçar meu tempo e dinheiro.

    • Antonio Borba disse:

      Olá Fernando, valeu pelo comentário. Eu não tive essa experiência com o Scavollo. Minha reclamação lá é o preço, pelo fato da casa não estar mais “na moda”, poderia ter um preço mais em conta para ser uma opção mais competitiva. Mas acredito que tenha seu público fiel. Abraços

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*