Categorias: Comportamento

Parem de Colocar DEUS no Meio das Coisas

Deus no Meio das Coisas - AntonioBorba.comAs pessoas têm mania de colocar Deus no meio de tudo. Dos menos aos mais religiosos, a obsessão por creditar as conquistas ao Todo Poderoso parece ser um hábito extremamente arraigado na cultura brasileira, sobretudo nos esportes.

Jogador de futebol faz gols e conquista uma partida, é porque Deus estava do lado dele (Deus é torcedor agora)

Piloto da Stok Car vence uma corrida importante e agradece, sobretudo, a Deus (não à equipe ou aos patrocinadores, mas sim a Deus que, afinal, estava apoiando ele)

Atleta vence uma prova de atletismo importante e credita seu sucesso a… Deus! Sim!

Coitado de Deus! Ele deve estar muito ocupado escolhendo seus atletas preferidos para decidir quem Ele vai ajudar a ganhar. Sem contar que Deus tem que ajudar na saúde de todas as pessoas, na preservação da vida, nas conquistas pessoais, nos negócios e em toda a sorte de coisas.

Se quando tudo dá certo, é Deus o responsável, quem assume a bronca quando as coisas falham? O capeta? Queria ver alguém dizer na TV “o diabo quis e nós perdemos o jogo“. Ou, ainda, “Deus nos abandonou“.

De certa forma, ouvimos justificativas estúpidas para coisas que dão errado ou pessoas que morrem. Já ouvi até mesmo um pai justificando serenamente o assassinato de suas duas filhas menores de idade, com o famoso bordão ignorante “Deus quis assim“. Quis? Uau!

Não precisamos ir muito além. Inteiras economias são creditadas a Deus – vejam o capitalismo americano com a famosa frase “In God We Trust” impressa nas notas de dólar. Aliás, guerras religiosas, perseguições raciais e até mesmo terrorismo são justificados em nome de Deus.

Eu não sou ateu, tenho minhas crenças. Porém, acredito que boa parte do meu sucesso vem do meu esforço em conquistar as coisas, da capacitação, preparo e dedicação que tive em certa tarefa. Se eu conquistar algo, quero ter certeza de agradecer às pessoas que me ajudaram, em primeiro lugar. Posso acreditar que Deus, ou uma força divina, me proporcionou as condições para ter saúde e viver neste mundo, mas isso significa que Deus não está do lado das pessoas que não têm saúde ou nasceram com incapacitações?

E, quando algo dá errado ou alguém morre, não foi Deus quem quis assim! Neste mundo, infelizmente, desgraças e injustiças acontecem e o acaso é fator determinante de muitos acontecimentos em nossas vidas. Simplesmente isso.

Gente, por favor, vamos dar um descanso a Deus. Ele não merece assumir tanta responsabilidade por nossas vidas fúteis.

20 comentários em Parem de Colocar DEUS no Meio das Coisas

Outros Posts:

27/03/2013

Atari Flashback 1 a 4 – Review Definitivo

Atari Flashback representa uma série de consoles dedicados lançados pela Atari a partir de 2004, aproveitando a grande era retrô/vintage que renasceu com muita força no novo milênio. Após constatar que havia uma grande geração órfã e carente de reviver os sentimentos nostálgicos dos video ...

Saiba Mais

05/11/2011

BlackBerry PlayBook – O Verdadeiro Review

Eu sou fã assumido da marca BlackBerry e não troco meu Bold por 10 iPhones. Portanto, foi uma consequência natural, ao escolher um tablet para meu dia a dia, optar pelo BlackBerry PlayBook. Comprado no exterior, já faz pelo menos dois meses que estou utilizando a versão de 32GB, e agora tenho c ...

Saiba Mais

20 Respostas para Parem de Colocar DEUS no Meio das Coisas

  1. Susana disse:

    Mania de brasileiro: meter deus em tudo quanto é tipo de discussão, um saco

  2. Ivani disse:

    A religião foi inventada para os mais inteligentes manipular os mais fracos.

  3. Carlos Morevi disse:

    Eu sou agnóstico, com a visão ainda muito embaçada sobre questões religiosas. Mas posso afirmar que não sou ateu e ainda sempre respeitei todas as religiões. Agora uma questão que sempre me incomodou é a atribuição à milagres nas grandes catástrofes, aquelas em que o único sobrevivente é o fulano que perdeu o vôo, que instantes depois era só um cilindro de fogo despencando dos céus, e do ciclano que foi no boteco, instantes antes do seu barraco sumir sob um deslizamento de terra, e assim por diante…
    Veja o exemplo de um avião que cai com 199 pessoas a bordo, agora repare nos procedimentos automáticos da grande imprensa, baseados em estatísticas óbvias; localizar passageiros que perderam o vôo. É batata, todos eles irão atribuir isso a um milagre divino, como se suas microscópicas existências fizessem parte dos planos cósmicos de Deus. Pena que não foi um milagre pra todos os outros 199 passageiros, provavelmente todos ateus.

    • Antonio Borba disse:

      Hehe muito bem colocado! É exatamente isso que falei. Na verdade, tudo isso nada mais é do que obra do caso, incluindo as exceções. Se você acredita numa força maior, considerando que o cara vale muito aqui na Terra e a hora ele ainda não chegou, “quem sabe” houve uma força maior para ele não morrer. Ainda assim, eu creditaria a 99% dos que não morreram por qualquer motivo (pneu furou, perdeu o vôo, qualquer coisa assim), como simples manifestação da lei das probabilidades.

  4. Katiero disse:

    Olha só esse vídeo, depois diz o que achou:

    http://www.youtube.com/watch?v=WOitIzUGJqk

    O poder está na fé. Se a pessoa acredita, ela vai se esforçar mais e depois vai agradecer ao divino. Por isso que existem tantas religiões, e cada pessoa é fanática pela sua, e tem como verdade absoluta, e em todas tem pessoas ricas e pobres, doentes e com boa saúde, etc.

    Logo, se você acredita em você, vai conseguir conquistar o que deseja.

    Não sou ateu, acredito em um “Criador”, agora não sei se o nome dele é Deus, ou esse é apenas o rótulo que resolveram colocar. Acredito que deve existir alguma energia superior criadora do Universo, como acredito que deve haver vida em outros planetas, no entanto não tenho e não sigo uma religião. Gosto sim de estudá-las.

    • Antonio Borba disse:

      O vídeo é interessante e faz a gente pensar… por esse lado, acho super váldo. Também não sou ateu, e acho ser ateu um pouco radical, mas enfim, é algo a ser respeitado, afinal a verdade não é única.
      Interessante, obrigado pela contribuição! Abraços.

  5. plinio borba disse:

    .Bem aventurado o homem que Crê em Deus e coloca sua vida diante dEle.

  6. Antonio disse:

    Texto excelente! O Deus paternalista, que pune ou recompensa e comanda e controla tudo foi uma criaçao judaico-cristã visando manter o poder e arrecadar dinheiro. Em paralelo e’ uma ideia extremamente benvinda para quem nao quer assumir a responsabilidade pelos seus atos e por sua vida ou destino, deixando de exercer a liberdade de escolha ou o livre arbitrio.

  7. Leandro disse:

    Borba, eu poderia escrever um livro maior que a própria bíblia para expor o meu descontentamento para com as pessoas que levam suas vidas no “piloto automático” e que frequentam locais de tratamento de consciência pesada (conhecidos como igreja).

    Mas, como ninguém ia ler mesmo, achei interessante deixar aqui esta bela frase de Nietzsche:

    Por que haverá alguém de envergonhar-se de seu corpo quando este é perfeitamente sadio e capaz de desempenhar as suas funções? Não seria verdade, porventura, que uns poucos neuróticos tivessem primeiro concebido a doutrina do pecado original para justificar as próprias neuroses e que todas as gerações subsequentes de homens normais tivessem seguido pensadores anormais como estúpidos carneiros? Não era a nossa moralidade uma fraude? Não era a felicidade o desígnio da vida? A religião, longe de ser uma aceitação, é uma negação da vida.
    — Friedrich Nietzsche

    No momento, estou mesmo é rezando para que minha avó não frequente seu blog 🙂

    Abraços

    • Antonio Borba disse:

      Hahaha Leandro, você é um pecador nato!!! Pessoa devassa! kkkkk
      Enfim, eu acho que existem tipos e tipos de religião, tipos e tipos de crença, porém, infelizmente, a história tem nos mostrado que em sua grande parte a religião foi utilizada como instrumento de manutenção de poder e controle das massas.
      Acho importante diferenciarmos fé de religião. Infelizmente falta bom senso no mundo.
      Obrigado pelo comentário – Abraços!

  8. G. N. Zechmann disse:

    Deus ta bem de saco cheio… o filme Todo Poderoso resume isso bem.

    Lembro na Copa da Alemanha, se não me engano, o Cafú pegou uma caneta na hora da entrega da taça e escreveu 100% JESUS ou algo assim.

    Não so enchem o pai, como o filho também!

  9. Eduardo Neves disse:

    Essa ideia antropomórfica de Deus é estúpida. Os orientais (budistas, principalmente) não explicam o que seria a divindade, mas com muita propriedade mostram o que não é: um velhinho, sentado em um trono, cheio de vontades, apitando arbitrariamente quem merece ou não merece tal coisa… uma contradição ambulante, pois se é todo amor, porque pune com uma eternidade de castigos no inferno quem cometeu erros por alguns poucos anos? O fato é que, se você quiser crer em Deus ou seja lá que nome der à uma divindade superior, deve estar atento para o fato de que qualquer ideia que tenhamos em nossa mente sobre esta divindade, serve tão somente para limitá-la. Uma forma é um limite. Estabelecer poderes é estabelecer limites. Descrever sua personalidade é limitá-lo. Portanto, os orientais simplesmente não se preocupam com Deus. Um zen budista simplesmente dirá, ao responder sobre Deus: “Isso não tem tanta importância assim“. Parece uma frase chocante, mas é um raciocínio extremamente simples: ora, se existe um ser que tem o poder de criar todo o Universo e os seres, então este ser é tão absurdamente superior a qualquer conceito criado por um humano, foge totalmente à nossa compreensão, portanto não adianta que não iremos entendê-lo. E se ele não existir, ora bolas, o que importa é que eu existo, estou aqui e agora. Portando, de certa forma, para nós humanos, não importa se Deus existe ou não. Outra coisa: ética nada tem a haver com Deus. Não precisamos de Deus para saber o que é certo ou errado… ele existindo ou não, ainda assim, matar outro ser humano, estuprar uma criança ou simplesmente roubar uma bolsa são atos ruins, maus e anti-éticos, que sabemos que não é certo frazê-los. Portanto, digo e repito, vamos parar com essa idiotice de achar que Deus é um velhinho cheio de vontades em um trono, distribuindo favores e punições à sua vontade. Quer perceber algo divino? Aprecie um pôr-do-sol, ou uma noite estrelada. Aí percebemos que somos tão insignificantes perto do Universo, vemos que a natureza é tão assombrosamente bela, e vamos perceber que tudo o que a gente acha tão importante nas nossas vidas, na verdade, só é importante para nós mesmos, seres pequenos, egoístas e arrogantes. Não sei se isso funcionará pra todo mundo, ou se muitos entenderão ou concordarão com o que escrevi agora, até porque a coisa está bem resumida. Mas prefiro sentir a natureza de verdade do que ficar preocupado se Deus está por aí ou não. E se ele estiver lendo isso, saberá do que estou falando. 🙂

    • Antonio Borba disse:

      Eduardo, fantástico, profundo, engajador. Seu comentário por si só já renderia outro post, e concordo muito com você. Vivemos em um plano terreno, logo, ampliando a escala filosófica, se Deus ou uma força superior nos colocou aqui, é para vivermos este mundo carnal e não ficar pensando no espiritual. Devemos ter uma preocupação com nossas atitudes neste plano sabendo que mostra nossa evolução e possivelmente orienta um caminho que vamos trilhar quanto não estivermos mais aqui. Ou seja, viver nosso hoje, sem dar importância exagerada ao divino, praticando nossas convicções sobre o que achamos certo ou errado para nós mesmos e para com os outros.
      Muito obrigado pelo tempo que investiu nessa resposta, achei surpreendentemente boa. Abraços!

  10. Prezado Borba, concordo com suas palavras, infelizmente as pessoas foram condicionadas a pensarem assim durante muito tempo, e ainda são. Com o passar do tempo fica cada vez mais difícil encontrarmos pessoas questionadoras, e com vontade em pesquisar e descobrir novas versões para as coisas que sempre ouvimos falar. As pessoas falam ” minha mãe sempre disse isso ” e acabam repetindo sem se questionar sobre o fato.
    Um exemplo que tenho sempre falado é o seguinte: Quando eu era mais novo e saia para as baladas minha mãe sempre dizia VAI COM DEUS, e eu sempre repetia AMÉM. Um dia parei pra pensar o seguinte: Se eu VOU com Deus, com quem eu vou VOLTAR ? Sozinho ?
    E quando questionei ela numa noite ela começou a me dizer : QUE DEUS TE ACOMPANHE, asism eu estava garantido na ida e na volta.
    Isso que eu quero dizer , as pessoas precisam se questionar mais, ler mais, aprender a pensar de forma diferente, só assim acredito que o FARDO que Deus carrega será aliviado. Forte abraço

    • Antonio Borba disse:

      Grande Anderson, interessante sua linha de pensamento, acho que seria bom perdermos um pouco esse hábito para aliviar o fardo que Deus carrega, claro que nossos pais sempre querem que estejamos seguros e essa expressão vira até mesmo um hábito. Mas, de certa forma, eu não gosto muito disso. Abraços!

  11. ricardo disse:

    “Eu sou contra a religião porque ela ensina a nos satisfazermos em não entender o mundo.”
    Richard Dawkins

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*