O Facebook Virou Orkut, Afinal?


O Facebook Virou Orkut, Afinal? - AntonioBorba.com

 

Muito tem se falado recentemente que o Facebook está virando Orkut. Na expressão popular, estariam “orkutizando” o Facebook ou algo parecido com isso.

O quanto há de verdade nessa expressão?

Antes de discutir o assunto, temos que compreender o que representava, há bem pouco tempo, o Orkut e o Facebook.

Orkut no seu auge

O Orkut foi a primeira rede social de relacionamentos que realmente explodiu, principalmente (como quase todas as seguintes) no Brasil. Virou moda, todos estavam conectados, porém algumas questões como privacidade não estavam muito bem consolidadas na época.

Portanto, sob a premissa de uma rede social facílima de usar, o Orkut expunha um bocado a privacidade das pessoas e despejava erros, bugs e downtimes na vida do usuário.

Sem chat, o Orkut trazia a exposição de fotos e o relacionamento entre as pessoas de forma assíncrona como pontos focais. As comunidades eram espécies de “badges” que definiam os gostos das pessoas, mas poucos interagiam de verdade com elas. A conversa “one on one” ainda era feita fora da rede social, principalmente no MSN.

O problema do Orkut é que, como tudo que se populariza, as classes A e B querem distância. Excesso de correntes, bobeiras, SPAM e informações inúteis deflagraram o descrédito da rede – por culpa somente de seus usuários. Dessa forma, o público “teoricamente” mais esclarecido e de melhor poder aquisitivo ansiava por algo novo e mais exclusivo.

O Facebook como era

Há poucos anos, quando começou a estourar no Brasil, o Facebook trazia a promessa de uma rede exclusiva, mais sofisticada, com controle rigoroso de permissões, voltada para as classes A e B. E de fato era. Houve uma polarização muito grande das classes sociais, o que permitiu associar alta renda com Facebook e baixa renda com Orkut – tudo isso de forma muito genérica.

Até meados de 2011, eu diria, o Facebook era uma rede social muito interessante e, tecnicamente, é até hoje, superior a todas. Altamente viciante, sem bugs, sofisticada e com alto nível de personalização, a rede uniu a comunicação síncrona do chat em um ambiente feito para as pessoas perderem tempo, para desespero da produtividade nas empresas e alegria dos acionistas da rede social.

Problema 1 – a “orkutização”

O problema é que, em virtude de seu sucesso e da “moda de manada” que impera no Brasil, o Facebook se popularizou – e, com isso, passou a proliferar as informações inúteis, como, por exemplo:

  • Correntes idiotas ou doutrinatórias (ex.: de caráter religioso)
  • Piadas repetidas à exaustão, em diferentes formatos
  • Vídeos e fotos virais e pseudo virais
  • Dentre outras.

O que queremos do Facebook, afinal? Eu, pessoalmente, quero saber das notícias dos meus amigos, quero ver fotos, quero até mesmo saber um pouco sobre os negócios deles, interagir, fazer networking. Gostaria de ver menos piadas e menos informações bobas. Elas até descontraem, mas quando você tem centenas de amigos, fatalmente dezenas deles vão compartilhar a mesma informação e você vai cansar.

Problema 2 – os usuários?

A culpa é de quem? Minha? Sua? Dos “nossos tempos” plugados em 220V com excesso de informações, em que ninguém consegue ler a página de um livro sem perder a paciência?

Oras, as pessoas de forma geral gostam de coisas inúteis – ao entrar na rede social querem fugir do trabalho, dos estudos e das responsabilidades – e creio que esse é o principal problema. Eu comprovo isso diariamente através dos diferentes artigos que  publico no blog e compartilho em minha Timeline:

Enfim, diante de tudo isso, temos que refletir. Eu até entendo que as pessoas não tenham muito tempo para “coisas cabeça”, reflexões e dilemas – muitas vezes eu também prefiro o caminho mais prático.

Então, de forma geral, posso concluir que vou escrever receitas e dicas gastronômicas se eu quiser ibope. Mas, se eu não me importar em conquistar uma faixa seleta de público, vou escrever sobre assuntos mais profundos.

Oras, então, não é o Facebook que está “orkutizado” – SOMOS NÓS!

15 comentários em O Facebook Virou Orkut, Afinal?

Outros Posts:

09/01/2012

Metas Cumpridas em 2011 e Dicas de Planejamento para 2012

No início de 2011, aceitei um desafio do programa Globo Comunidade (RPC TV) para compartilhar minhas metas e acompanhar a evolução (veja o post 2011: A Importância de Estabelecer Metas). Ao final do ano, conforme combinado, a RPC me procurou para conferir os resultados. O programa foi gravado ...

Saiba Mais

08/07/2011

Você Sabe a Diferença Entre Menta e Hortelã?

Esses dias eu vi uma propaganda do novo Tic Tac sabor hortelã, perguntando se eu já conheço essa "novidade". Whow -  "esse novo sabor deve ter o potencial de mudar a minha vida", pensei eu... Claro que não! Será que as pessoas param para pensar no absurdo das situações? O dia em que "hort ...

Saiba Mais

15 Respostas para O Facebook Virou Orkut, Afinal?

  1. Pingback: Não Orkutizem o Instagram | Antonio Borba

  2. roy disse:

    comunidades tipo ” quero coca cola de 20 litros ” e outras do tipo ja estão no face , então o face virou orkut sim , ja era , não é e não sera nunca mais como antes e isso é fato , quem não gosta de orkut não vai gosta do face 2013 em diante , a não ser que se configurar ao maximo as privacidades etc e ter só um grupo de amigos reduzidissimos para se comunicar qdo necessario , alem disso mesmo fora da net os orkuteiros estão por toda a parte , a vida brasileira em si é um grande orkut com sua imprenssa madora e cheia de noticias xulas , com a cultra do inutil e vulgar com endeusamentos e sucessos de quem não tem um pingo de arte , com idolos produzidos pela midia , mulheres frutas , seleção brasileira , falcatruas politicas , reportagens exustivas sobre politica e de conflitos internacionais , etc o cotidiano brasileiro é um orkut e temos que engulir essa grande orkut de bosta todos os dias !

    • Antonio Borba disse:

      Um comentário bastante ácido, porém lamento que esteja muito próximo da verdade. A banalização do cotidiano que temos em nosso país é uma das coisas que mais me incomodam. Lembrando que, além da banalização da cultura, temos também o mesmo efeito acontecendo com relação à violência, ao sexo e assim por diante.

  3. Leonardo Saraiva disse:

    Eu, particularmente, adoro isso. Pois as piadas, fotos, spam e todo tipo de inutilidade não vem pra mim por email. (:

  4. João disse:

    Claro que somos nós os culpados. A “coisa” em sí nunca tem culpa. Seria como uma pessoa dar um tiro na outra e condenarmos a pistola em vez da pessoa.
    Acho que os dados que o Borba apresenta, são realmente irrefutáveis, mas acredito que isso se deve a uma questão cultural.
    Temos que melhorar o ensino (escola e família) de forma a que os nossos jovens se acostumem de uma forma gostosa a ler mais sobre assuntos importantes e “cabeça”, como diz o Borba. Seria um enorme serviço a toda a sociedade.
    Mas concordo a 100% com o Borba sim.

  5. Giovana disse:

    É por estes e outros motivos que gosto mais do Twitter… lá consigo realmente me atualizar e “colher” notícias do mercado. Infelizmente hoje para mim o cara que usa o Twitter para: “acabei de acordar”; “vou almoçar”; e apenas isso… são pessoas que paro de seguir. Se não me agregam em nada, infelizmente não possuem motivo para estar lá.
    Quando ao Face banalizou e a tendência é piorar… o objetivo das pessoas nele é um só: “saber da vida alheia, ponto final”.

    Ótima matéria.

    • Antonio Borba disse:

      Giovana, esse pessoal que usa o Twitter da forma citada, são os mesmos que colocam “Banhoooooooooooo” no MSN – terrível!
      A vida alheia ainda é MELHOR do que essas correntes intermináveis! rsrs
      Thanx, abraços!

  6. Rodrigo disse:

    Perfeito, utilizo o Twitter para informações o Facebook para descontrair e para algo mais profissional o Linkedin que também é uma rede social, não é apenas um banco de currículos como muitos pensam.

    No Facebook existem os grupos/listas, você coloca aqueles usuários que só falam besteira neste grupo e não verifica as atualizações, simples assim! Rs

    Acho que rede social é para ser assim, cheia de descontração, pois é aí que falamos coisas que as vezes em um ambiente formal não falaríamos, o que torna uma pesquisa mais eficiente e fiel.

    Você pode ter um perfil no Facebook para classe A e B, basta selecionar amigos com esse perfil. Então acredito que está mais ligado ao fato de ser popular e todo mundo ter do que as besteiras que vemos. No começo só alguns tinham, agora quem não tem Facebook?

    A diferença é que no Orkut as brincadeiras piscam mais rs.

  7. Sergio Nicodemos Filho disse:

    Sr. AB, Concordo em partes.. Nós somos culpados? Sim, Concordo!
    Mas, Porem, contudo, todas via… AHHH!!!..
    Eu comecei no face no fim de 2009, só fuçava, não tinha muito amigos no face, todos ainda estava no Orkut, por causa do novo tema que haviam lançado e a união do Orkut com o G-talk, unindo o chat..
    Eu já estava longe disso…
    Acredito que a Orkutização do Facebook começou quando saiu a tradução do mesmo. Até Hoje meu Face é Like – Comment – Share…
    Fato que é triste, e que mostra a realidade da Orkutização do Face, é você por na Msg, Dê um “Like” e a pessoa nem sabe do que você está falando.. Ou você está conversando com amigos ai comenta algo, a pessoa não lembra, você diz, mas você deu “like”.. e a pessoa não entende… Ai você diz, Você Curtiu e tals…
    Ai a pessoa entende..
    A popularização do Face começou após a tradução creio eu..

    Sds
    Sergio

    • Antonio Borba disse:

      Sergio, pode até ser. O ambiente em português abre o Facebook a pessoas que não falam outro idioma e aproxima de outras classes sociais. Certamente, essa é uma das explicações para a popularização do mesmo, embora, não estamos discutindo a popularização mas sim as pessoas orkutizadas! rs Abraços

  8. Romanza disse:

    Análise sensacional. Sem muita margem para comentários não retóricos 😉

    Só me resta deixar aqui os meus parabéns pelo excelente texto e dizer que concordo 100% contigo (nesse post! Hahaha).

    Abraços.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*