“Desviciando” do Facebook

Notificações - O Fator de Vício do Facebook - AntonioBorba.comÉ redundante dizer que Mark Zuckerberg foi muito inteligente ao criar o Facebook. E, como as mídias sociais fazem parte do meu trabalho, costumo analisar os aspectos que levam as pessoas a utilizarem avidamente os novos recursos. Mais precisamente, sempre me pergunto “por que esse produto fez sucesso” ou “o que leva as pessoas à compulsão“?

No caso do Facebook, eu acredito que o principal “fator de vício” são as famosas notificações, como essa imagem exageradamente desproporcional exibida acima. É o primeiro lugar que o usuário olha quando abre a página. Os números em vermelho chamam e compelem ao clique. Eles remetem à interação, atiçam a curiosidade e trazem a promessa de algo positivo: comentários, “curtir“, compartilhamentos, enfim, sucesso e prestígio no conteúdo social publicado pelo usuário, além de pessoas querendo se comunicar.

Situações similares ocorrem em outras interfaces. Todas elas são planejadas cuidadosamente para levar à compulsão, para não dizer ao vício, e o BlackBerry é um super clássico nesse assunto. Quando dominava a cena dos celulares corporativos, foi apelidado de CrackBerry e dado como responsável por diversas síndromes relacionadas à ansiedade que acometeram executivos ao redor do mundo. Dizem que até mesmo suicídios tiveram como causa os distúrbios provenientes do uso exagerado do aparelho da RIM (Research in Motion, o fabricante).

E como exatamente o BlackBerry conquistou esse duvidoso apelido? Além da interface simples e prática, integração com Outlook, e-mails em tempo real e um conveniente teclado na época “pré-touch“, o “fator de vício” do smartphone se deu muito antes do Facebook, através de uma sacada muito simples:

BlackBerry Notifications - Fator de Vício - AntonioBorba.COM

Ou seja, não foi o Facebook que inventou o vermelho em cima do azul, na verdade o primeiro contato em massa que o mundo teve com esse símbolo de interação foi através do celular.

Não preciso dizer que a união Facebook + BlackBerry, assim como Facebook + Apple e assim por diante, pode ser extremamente viciante a ponto de tornar as pessoas escravas da telinha em seus momentos mais íntimos.

Até que ponto esse vício, que atrapalha a produtividade e interfere na vida social das pessoas, deve ser combatido? Você sabe avaliar o impacto em sua vida? Se você já se flagrou preocupado porque não fez o check-in e seu celular não acha o sinal, ou no meio da reunião com os amigos não conseguindo largar a telinha, é bom se preocupar.

Desviciando

Eu achava que minha compulsão pelo Facebook estava sendo exagerada. De fato, há dias em que passo muitas horas ligado na rede social, mas geralmente isso é fruto das atribuições do meu trabalho na Magic Web Design, ou, ainda, consequência de uma tarde em casa organizando meus arquivos, quando o Facebook fica aberto em segundo plano.

Entretanto, o que estava me incomodando era justamente a tal notificação no BlackBerry e a “necessidade” ou “péssimo hábito” de verificar o celular várias vezes ao dia quando fora de casa.

Foi então que decidi, durante as férias de fim de ano, passar pelo menos 5 dias sem contato com o computador e com o Facebook. Para isso, desinstalei o app do meu BlackBerry Bold e saí em viagem. Consegui ficar 6 ou 7 dias sem acesso algum. Enquanto isso, mantive fechado meu mural no Facebook e ativei as aprovações de marcações, para ter mais privacidade.

Para minha surpresa, além de não sentir falta alguma do Facebook no celular, já se passaram 20 dias e eu ainda não reinstalei o app. Continuo acessando a rede social pelo computador, mas abandonei-a completamente no celular. Adeus check-ins e publicações mobile.

Percebi que posso viver tranquilamente sem isso e, sinceramente, estou achando melhor. Começo a considerar fazer o mesmo com algumas contas de email que acesso via celular, embora sejam úteis em caso de viagem. Twitter já era faz tempo. Já temos SMS para notificações rápidas, o que acho o suficiente para alienar as pessoas.

Recomendo a todos que questionem seus hábitos. Há vida offline. O segredo de saber balancear a interação online com nosso dia a dia pode ser o sucesso para a nossa saúde mental.

14 comentários em “Desviciando” do Facebook

Outros Posts:

13/03/2013

Corrida de Rua: Vantagens das Distâncias Curtas

Corredores de rua geralmente querem evoluir. E a evolução, em quase 100% dos casos, caminha da velocidade para a resistência. A explicação parece lógica: enquanto jovens, temos mais facilidade em correr rápido, nossos músculos e tendões aguentam melhor o impacto associado à performance. ...

Saiba Mais

22/02/2015

VENDIDO: Atari 7800 com 10 Jogos

UPDATE: estes itens foram vendidos. Confira outros lotes de videogames à venda ou entre em contato em caso de interesse. Totalmente compatível com o Atari 2600, o 7800 foi um modelo posterior lançado pela Atari para concorrer com o Nintendinho/NES. Você pode conhecer mais a respeito visi ...

Saiba Mais

14 Respostas para “Desviciando” do Facebook

  1. Leandra Abravanel disse:

    Oi, bom dia! Pelo amor de Deus me ajudem a superar esse vício maldito. Eu não consigo fazer mais nada, só sei ficar no facebook. Não consigo estudar, trabalhar, fazer as tarefas domésticas, dormir, passear… NADA. Já tentei excluir meu perfil mas no dia seguinte eu acabo voltando atrás e cancelo a exclusão (né porque eles deixam a conta durante 14 dias caso a pessoa resolva voltar atrás). O Orkut, Twitter, MSN é consegui superar mas esse Face é complicado. Eu não era viciada no face, aliás eu entrava muito pouco. Aí comecei a curtir páginas interessantes, a jogar FarmVille 2, essas coisas. Agora tá uma desgraceira só porque o computador para mim se resumiu em Facebook. Eu entro na rede social e fico olhando para as notificações para ver se elas aparecem. O pior é que eu tô com dois perfis e tô viciada nos dois. SOCORRO eu vou acabar doente por causa disso.

  2. Mônica disse:

    eU EXCLUI DE VEZ O FACEBOOK ,MAS AINDA ESTOU SENTINDO FALTA ,MAS JÁ TENTEI ME CONTROLAR QTO AO USO MAS NÃO CONSEGUI E ANO PERDENDO MUITO TEMPO ,ENTÃO DESISTO …

  3. aline disse:

    Ola gostei muito da sua matéria tem me ajudado muito.Já tenho 5 dias que não entro nesse site maldito, eu digo maldito porque ele influencia as pessoas a ficarem horas e horas online. onde quer que você vai estará sempre pensando em tirar uma foto e colocar no face. ai eu pensei quais vantagens eu estou tendo nisso? no meu caso nenhuma então porque continuar, pra minha vida eu só quero coisas boas não e? obrigado por mim eu não entro mais. bjss

  4. Daniele disse:

    Preciso desviciar dessa aberração por nome Facebook.Me disseram para excluir meu perfil mas logo de cara assim é difícil para alguém que já se encontra tão viciado. Seria, sei lá, o mesmo que dizer para uma pessoa parar de comer para emagrecer. Acredito que é necessário uma redução de consumo de alimento por dia na qual novos alimentos (saudáveis) deverão ser colocados no lugar. Eu iniciei um processo de desapego domingo passado. Eliminei primeiramente qualquer tipo de postagem da minha parte assim como parei de curtir e de comentar as postagens dos meus amigos. Assim diminuem as notificações e eu posso ver com maior nitidez quem sentirá minha falta. Confesso que ainda fico muitas horas no Facebook mas de modo invisível, apenas observando. Em seguida eliminarei aqueles que sequer notaram a minha ausência, bloqueando para que não me enviem convite de amizade novamente. Assim diminuirá o número de amigos e consequentemente de curiosidade minha também. Mais pra frente eliminarei (aos poucos também) a quantidade de páginas curtidas e de aplicativos e assim por diante. Tem que ser aos poucos mesmo pelo menos no meu caso. Quanto menor forem as notificações maior será o meu “desgosto” por saber que ninguém se importou comigo digamos assim. E como qualquer outro vício maldito, viva um dia de cada vez, um dia após o outro e se comprometa a não consumir aquela “droga” só hoje. Quando o dia amanhecer, prometa novamente “não vou consumir essa substância só hoje”, e assim por diante. Eu realmente não vejo outra forma de me libertar. Depois eu voltarei aqui e para dar meu testemunho de libertação. Boa sorte a todos!!!!!!!!!

    • Antonio Borba disse:

      Nossa, Daniele, que super estratégia que você montou, com várias etapas – hehe, muito bom. Eu tenho desabilitado notificações em alguns grupos, bem como emails comunicando interações, etc. Além de não usar no celular. De fato, é preciso fazer algo para não ficar louco, pois dentro dessa rede, há cada vez mais objetivo de interação, já que isso significa lucro para eles. Boa sorte, me conte depois. Abraços!

  5. M.L disse:

    Olá!Estava procurando na internet algo que pudesse me ajudar a me “desviciar” do facebook.Penso em excluir a conta,porém acho que eu entraria em desespero e acabaria voltando atrás.O facebook tem me trazido muitos males,não consigo mais ler bons livros ou estudar para concursos,pois fico no facebook á espera de atualizações novas e verdadeiros “papos furados”.Realmente não sei o que fazer,mais gostei muito da sua idéia de tentar ficar uns 5 dias sem acesso ás redes sociais,talvez isso possa me ajudar.

    • Antonio Borba disse:

      Olá M.L, tudo bem? Hehe – interessante depoimento o seu. Para seu reconforto digo que, após fazer isso, nunca mais coloquei o FB no meu celular. E não sinto falta. Aos poucos, tenho usado menos, porque acho que acabamos dando importância demais a ele. Suma do Facebook por uns dias, seus amigos vão ficar curiosos – hehe. Hoje em dia, eu acho que não tem problema em acessá-lo menos vezes e não responder a todos os comentários. Há coisas mais importantes, e anda circulando muita besteira pelo Face – a tal da orkutização. http://www.antonioborba.com/o-facebook-virou-orkut-afinal/
      Ou seja, não precisa excluir a conta, é só desbaratinar mesmo. A maior parte das pessoas descoladas e interessantes que conheço são pouco ligadas no Face. Interessante, não?
      Abraços

  6. João Ribeiro da SIlva disse:

    Como você me pediu ainda hoje, vou da forma sempre sincera, que você conhece da minha parte, começar a comentar em todos os seus posts.
    O Facebook na realidade tem as questões das notificações que são um pouco viciantes, até porque queremos ver quen nos notificou de algo.
    Mas este tipo de sites, tem sempre algo mais, a questão é sempre “the next new thing”, a esta data o Facebook, fez pelo menos duas atualizações importantes, a linha do tempo, que realmente muda muito a apresentação das páginas , e a capacidade de aceitar URLs curtos, mais recente, de sites que os constroem, sem tradução direta da Url.
    No entanto devo dizer que a tendência de uso das redes sociais, deverá começar as descer nos próximos anos, muito embora ainda esteja numa espiral crescente.

    • Antonio Borba disse:

      João, eu concordo com você. De certa forma, tudo isso ainda é muito novo. A partir do momento em que as pessoas começarem a achar tudo normal, o uso deve diminuir. Por exemplo, eu tenho percebido que diversas pessoas têm diminuído seu uso do Facebook, cansadas das bobeiras “orkut-style” que estão rolando lá dentro. Alguns murais são verdadeiros desfiles de futilidade!
      Abraços!!!

  7. Debora Ribeiro disse:

    Muito bom o artigo! Já fui bem mais viciada no Facebook, postava várias vezes ao dia, mas aos poucos fui percebendo o quanto isso era prejudicial! Hoje procuro me controlar mais, embora ainda tenha o app instalado no iPhone! Esse meu comentário parece reunião do AA! Haha! Beijos

  8. Rodrigo disse:

    Esta matéria é bem pontual na questão do vício. Eu consegui organizar meu tempo de forma a não ficar muito tempo nas redes sociais, assim consigo focar em outras atividades, mas mesmo assim entro umas 5 vezes ao dia para ver se tem algo de novo.
    Mas agora consigo fazer sobrar tempo para ir na academia, ler um bom livro…
    Boa dica! Grande abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*